Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Antes de Entrar Aristóteles

Tudo se há-de passar como se estivéssemos no Liceu

Tudo se há-de passar como se estivéssemos no Liceu

Antes de Entrar Aristóteles

12
Abr19

É sempre engraçado

Ricardo Nobre

O site do Expresso (o próximo jornal cuja assinatura não renovarei) informa de uma iniciativa daquele semanário com um restaurante de hambúrgueres e o Plano Nacional de Leitura que pretende, uma vez mais, salvar as crianças da ignorância que o facto de não ler provoca nos seres humanos.

É certamente um projecto muito louvável, mas não se pode publicar por escrito supostas declarações de uma pessoa, neste caso «a autora infantil Maria Inês Almeida», que terá afirmado «Gostava que houvessem reading classes» (sem itálicos nem nada, que a evolução tecnológica aboliu essas antiguidades tipográficas). Na verdade, pelo menos no vídeo publicado naquela página, Maria Inês Almeida não diz houvessem, mas hesita entre o termo inglês reading classes e a expressão bem formada em português aulas de leitura.

houvessem reading classes

É engraçado uma declaração, ainda por cima tão curta e a propósito de literacia, ser citada com dois erros tão maçadores. Quase apetece dizer que gostava que houvesse gramáticas e dicionários para educar os jornalistas (a notícia não está, prudentemente, assinada) para aprenderem a usar a língua portuguesa e a fazer citações exactas, que é para isso que servem as aspas, não para tentar sintetizar uma declaração. Já agora, em aulas de leitura de livros (e jornais de «referência») que não usassem o verbo «haver» no plural quando tem sentido impessoal.

título e imagem de cabeçalho

O título deste blogue é uma expressão de Aquilino Ribeiro que ocorre na última frase do segundo volume de Luís de Camões: Fabuloso. Verdadeiro (Amadora: Bertrand, 1974; 1.ª ed. 1958), que se lê: «Tudo se há-de passar como se estivéssemos no Liceu antes de entrar Aristóteles.»
No cabeçalho, pormenor da «Escola de Atenas» (Scuola di Atene), de Rafael Sanzio, terminada em 1511. A imagem foi retirada dos Wikipedia Commons e encontra-se sob domínio público.

memória

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

classificados

Procuro Vocabulário da Língua Portuguesa, de Francisco Rebelo Gonçalves (Coimbra Editora, 1966). Caso esteja interessado/a em vender-mo (a qualquer preço) ou se sabe onde o posso encontrar, agradeço o contacto.