Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Antes de Entrar Aristóteles

Tudo se há-de passar como se estivéssemos no Liceu

Tudo se há-de passar como se estivéssemos no Liceu

Antes de Entrar Aristóteles

26
Mar18

Já era tempo de perceber

Ricardo Nobre

Finalmente comecei a perceber que na vida é preciso lutar por ideais e defendê-los porque, apesar de nos terem sido oferecidos, nada garante que sejam eternos. Mesmo os valores que pensávamos seguros, como a liberdade e a democracia, parecem erudir-se nas páginas dos jornais, cheias de sintomas de regressão das democracias, incluindo na União Europeia (edificada contra a vontade dos povos) e nos Estados Unidos da América. A culpa não pode ser apenas do Facebook, dos mecanismos protectores pós-11 de Setembro, da tensão religiosa ou do medo dos refugiados. Alguma coisa falhou nas democracias ocidentais: terem sido construídas à sombra do capitalismo, baseadas em consumismo e egoísmo, que lhes substituíram os valores da tolerância, liberdade e conhecimento?

Quando faço o enorme esforço de olhar para a minha biografia profissional, percebo que passei grande parte do tempo a responder a questões como «isso serve para quê?». Talvez seja altura de responder: para defender valores democráticos e a liberdade. Se os perdermos agora, a pretexto de segurança e protecção, como na Antiguidade romana, depois de décadas de guerras civis, cairemos numa tirania, sem darmos conta. E Tácito poderá voltar a perguntar, depois de alguns enriquecerem com a nova ordem política, preferindo a tranquilidade do presente aos perigos do passado: quantos restam dos que conheceram a liberdade?

título e imagem de cabeçalho

O título deste blogue é uma expressão de Aquilino Ribeiro que ocorre na última frase do segundo volume de Luís de Camões: Fabuloso. Verdadeiro (Amadora: Bertrand, 1974; 1.ª ed. 1958), que se lê: «Tudo se há-de passar como se estivéssemos no Liceu antes de entrar Aristóteles.»
No cabeçalho, pormenor da «Escola de Atenas» (Scuola di Atene), de Rafael Sanzio, terminada em 1511. A imagem foi retirada dos Wikipedia Commons e encontra-se sob domínio público.

memória

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

classificados

Procuro Vocabulário da Língua Portuguesa, de Francisco Rebelo Gonçalves (Coimbra Editora, 1966). Caso esteja interessado/a em vender-mo (a qualquer preço) ou se sabe onde o posso encontrar, agradeço o contacto.