Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Antes de Entrar Aristóteles

Tudo se há-de passar como se estivéssemos no Liceu

Tudo se há-de passar como se estivéssemos no Liceu

Antes de Entrar Aristóteles

20
Jul17

José Hermano Saraiva morreu há cinco anos

Ricardo Nobre
Mau grado as aparências, a televisão portuguesa tem exemplos assinaláveis de empenho na promoção da cultura, do ensino e do saber. Neste âmbito, houve uma personalidade de gestos mais largos que a sua pequena estatura que, pela paixão com que o fazia, palavras adequadas a todas as ocasiões, sem esconder a revolta contra o descuido e o desrespeito pelo património e pela brutalidade da ignorância, se tornou um modelo de professor.
A matéria que ensinava era história, e, nela, o que a história ensina: o orgulho no país, o justo apreço pelas fontes, o amor pela língua e a importância da preservação do passado. Contra ideias pré-concebidas, apresentando intuitiva e desabridamente hipóteses (umas mais fantasiosas que outras) alternativas, durante décadas, José Hermano Saraiva (1919-2012) foi falando com o telespectador sobre as nossas terras, batalhas, conquistas e derrotas, apresentando as figuras locais, nacionais e universais.
José Hermano Saraiva morreu faz hoje cinco anos e continua sem substituto na televisão nem na minha galeria de professores. Se os artistas vivem depois da morte eternizados na sua arte, os professores não morrem quando a sua lição foi aprendida.
 
Tenho muitas saudades suas, Professor.

Releitura recomendada:
De Ministro a Divulgador da História na Televisão (Lusa/Diário de Notícias)
Morreu o historiador José Hermano Saraiva (Lusa/Público)
Morreu José Hermano Saraiva (Anabela Natário e Valdemar Cruz, Expresso)
José Hermano Saraiva, o contador de História (Luís Miguel Queirós, Público)
Funeral de José Hermano Saraiva realiza-se este sábado (Lusa/Público)
Funeral de José Hermano Saraiva realizou-se hoje (Lusa/Diário de Notícias)
Reacções à morte de José Hermano Saraiva (Expresso)
José Hermano Saraiva Sem Medo da Morte (Elisabete Silva, Diário de Notícias)
Um Homem Que Fará Falta (Joel Neto, Diário de Notícias)
O Pesar à Morte do Professor José Hermano Sariva (José Carvalho, Diário de Notícias)

título e imagem de cabeçalho

O título deste blogue é uma expressão de Aquilino Ribeiro que ocorre na última frase do segundo volume de Luís de Camões: Fabuloso. Verdadeiro (Amadora: Bertrand, 1974; 1.ª ed. 1958), que se lê: «Tudo se há-de passar como se estivéssemos no Liceu antes de entrar Aristóteles.»
No cabeçalho, pormenor da «Escola de Atenas» (Scuola di Atene), de Rafael Sanzio, terminada em 1511. A imagem foi retirada dos Wikipedia Commons e encontra-se sob domínio público.

memória

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

classificados

Procuro Vocabulário da Língua Portuguesa, de Francisco Rebelo Gonçalves (Coimbra Editora, 1966). Caso esteja interessado/a em vender-mo (a qualquer preço) ou se sabe onde o posso encontrar, agradeço o contacto.