Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Antes de Entrar Aristóteles

Tudo se há-de passar como se estivéssemos no Liceu

Tudo se há-de passar como se estivéssemos no Liceu

Antes de Entrar Aristóteles

06
Jan18

O cavalo de Calígula

Ricardo Nobre

Apesar de termos sempre a ideia de que os modernos historiadores portugueses sabem pouco de história da Antiguidade Clássica, Rui Tavares, num artigo de opinião publicado no Público de ontem, não cai no erro de confundir senador com cônsul (mais ou menos como confundir primeiro-ministro com deputado), como normalmente se ouve a respeito da história da nomeação do cavalo de Gaio (Calígula é alcunha) para um cargo político. A fonte é o mesmo Suetónio nomeado por Tavares e, como este diz, não afirma que assim aconteceu: trata-se um boato. Vale a pena lembrar a história do cavalinho (Suetónio, Vida de Gaio, 55; trad. de João Gaspar Simões1):

Incitato equo, cuius causa pridie circenses, ne inquietaretur, viciniae silentium per milites indicere solebat, praeter equile marmoreum et praesaepe eburneum praeterque purpurea tegumenta ac monilia e gemmis domum etiam et familiam et supellectilem dedit, quo lautius nomine eius invitati acciperentur; consulatum quoque traditur destinasse.

Para que nada perturbasse o repouso do cavalo Incitato na véspera dos jogos de circo, tinha por costume mandar os soldados impor silêncio à vizinhança. Além disso, mandou construir para este cavalo uma cocheira de mármore e uma manjedoura de marfim. Deu-lhe arreios de púrpura e um colar de pedras preciosas, além de casa, criados, móveis para que os convidados em seu nome fossem sumptuosamente recebidos. Conta-se, também, que quis fazê-lo cônsul.

Como se vê, apenas faltou dar ao cavalo o direito de acompanhar o dono aos restaurantes. Além do que o dinheiro do governante sempre serviu para o luxo desnecessário do que para o bem público. Em Roma, eram cavalariças de mármore; hoje, falaríamos em casas-de-banho do Ministério da Cultura.

1 Suetónio (2007). Os Doze Césares, trad. João Gaspar Simões. Lisboa: Biblioteca de Editores Independentes.

título e imagem de cabeçalho

O título deste blogue é uma expressão de Aquilino Ribeiro que ocorre na última frase do segundo volume de Luís de Camões: Fabuloso. Verdadeiro (Amadora: Bertrand, 1974; 1.ª ed. 1958), que se lê: «Tudo se há-de passar como se estivéssemos no Liceu antes de entrar Aristóteles.»
No cabeçalho, pormenor da «Escola de Atenas» (Scuola di Atene), de Rafael Sanzio, terminada em 1511. A imagem foi retirada dos Wikipedia Commons e encontra-se sob domínio público.

memória

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

classificados

Procuro Vocabulário da Língua Portuguesa, de Francisco Rebelo Gonçalves (Coimbra Editora, 1966). Caso esteja interessado/a em vender-mo (a qualquer preço) ou se sabe onde o posso encontrar, agradeço o contacto.