Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Antes de Entrar Aristóteles

Tudo se há-de passar como se estivéssemos no Liceu

Tudo se há-de passar como se estivéssemos no Liceu

Antes de Entrar Aristóteles

19
Fev18

O voto da lusofonia

Ricardo Nobre

«Grupo recém-criado de migrantes e afrodescendentes defende alargamento de direito de voto» em eleições portuguesas, segundo noticiou o Público no sábado. Isto faz todo o sentido quando, em nome da lusofonia e alegando o peso internacional da língua (em número de falantes nativos, não em termos económicos), Portugal abdica da ortografia semi-etimológica de 1945 para, sem consoantes mudas, haver uma convergência (dizem os que defendem o Acordo Ortográfico) com as variantes sul-americana e africanas do português.

Curiosamente, o Portugal do turismo1 vira-se inteiramente para o inglês, língua com uma ortografia fortemente etimológica que conquistou o mundo pelo poder económico, audiovisual e cinema e — o que poucos percebem e muitos parecem ignorar — um forte investimento no ensino da língua (não só em termos burocráticos, na criação de centros, mas sobretudo na produção de materiais, como gramáticas e dicionários para todos os gostos, idades, grupos profissionais e sensibilidades). Voto de habitantes lusófonos residentes em Portugal? Claro que sim, desde que os portugueses residentes em Cabo Verde, Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Timor e Brasil possam fazer o mesmo.

Não há lojinha ou hotel em Lisboa ou no Algarve (que resistiu ao Allgarve, dobrando consoantes que fazem lembrar os «corninhos» de Manuel Pinho) que abra com um nome português.

título e imagem de cabeçalho

O título deste blogue é uma expressão de Aquilino Ribeiro que ocorre na última frase do segundo volume de Luís de Camões: Fabuloso. Verdadeiro (Amadora: Bertrand, 1974; 1.ª ed. 1958), que se lê: «Tudo se há-de passar como se estivéssemos no Liceu antes de entrar Aristóteles.»
No cabeçalho, pormenor da «Escola de Atenas» (Scuola di Atene), de Rafael Sanzio, terminada em 1511. A imagem foi retirada dos Wikipedia Commons e encontra-se sob domínio público.

memória

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

classificados

Procuro Vocabulário da Língua Portuguesa, de Francisco Rebelo Gonçalves (Coimbra Editora, 1966). Caso esteja interessado/a em vender-mo (a qualquer preço) ou se sabe onde o posso encontrar, agradeço o contacto.